FAQ

FAQ Segurança funcional

Perguntas e respostas sobre segurança funcional

Nossos especialistas respondem a suas perguntas.

Sua pergunta não está aqui? – Escreva-nos!

Se você ainda não tiver conseguido uma resposta para sua pergunta, simplesmente preencha o formulário embaixo. Estamos ao seu dispor para todas as questões e ideias no âmbito da segurança funcional.

Não, alguns componentes não podem ter SIL e PL.

A classificação SIL sempre se refere a uma função de segurança completa, ao passo que a SILCL se refere ao subsistema (conforme EN 62061).

Uma relação entre PL e SIL pode ser estabelecida através do valor PFHd. Observe que as indicações de PFHd não consideram as especificações específicas de ambas as normas no que se refere à estrutura permitida, à cobertura de diagnóstico ou respectivos requisitos sistemáticos.

De acordo com ambas as normas, para contatos positivamente guiados com equipamentos de comutação redundantes (2 canais) e relés se deve partir de uma corrente contínua de 99%. Uma função de diagnóstico com uma reação a erro adequada ou pelo menos um aviso de perigo é um pré-requisito.

Não, somente um único erro geralmente conduz a uma falha. Nos sistemas baseados em RFID ou acionados magneticamente é possível para o fabricante confirmar uma tolerância de erro do hardware de 1.

Não, o usuário pode calcular um valor PFHd para peças de desgaste para a respectiva aplicação a partir do valor B10d dependendo da quantidade de ciclos operacionais.

O MTBF (tempo médio entre falhas) descreve o tempo entre duas falhas.

O MTTF (tempo médio para falha) descreve o tempo até à primeira falha.

D significa perigoso (ing. dangerous).

O MTTFd (tempo médio para falha perigosa) descreve o tempo até à primeira falha perigosa.

Sim, para software de sistema operacional conforme PL e devem ser, porém, considerados os requisitos da norma IEC 61508-3.

Os anexos da EN ISO 13849-1 e EN 62061 contêm valores de referência de substituição para componentes usados com frequência. Porém, desde que disponíveis, você sempre deve usar os valores do fabricante.

Não, a EN ISO 13849-1 descreve somente o modo High-Demand. Por esse motivo, você só pode executar uma avaliação de MTTF (tempo médio para falha) com medidas adicionais como a dinamização forçada.

Não, não existe uma obrigação de certificação separada para o software que se baseie em ambas as normas. Ela se orienta com base na dimensão e complexidade do projeto global. No âmbito da verificação e validação de funções de segurança pode ser necessário um teste de software. Poderá encontrar informações sobre esse tema na EN ISO 13849-1, capítulo 4.6 e EN 62061, capítulos 6.9 e 6.10 e ainda na EN 61508-3.

Não, além dos dados característicos estatísticos como MTTF e B10d, o componente também precisa ser funcionalmente adequado para a função e cumprir determinados requisitos mínimos. Por exemplo, requisitos técnicos de segurança e construtivos (implementação e aplicação de princípios de segurança).

PHOENIX CONTACT
Ind. Com. Ltda.

Av. das Nações Unidas, 11.541,
19º andar - Brooklin Paulista
04578-000 - São Paulo/SP - Brasil
CNPJ 68.404.912/0001-62
(11) 3871-6400 (PABX)