Voltar para a visão geral

Glossário

Diversas variantes de conexão do disjuntor de proteção de equipamento na recepção, p. ex. através de inserção ou encaixe ou através de parafusamento.

Este número indica quantos circuitos de corrente eletricamente separados podem ser conectados. Existem disjuntores de proteção de equipamentos com variados números de polos.

Elas apresentam o comportamento de disparo de um disjuntor de proteção de equipamento. Em um diagrama são representados o tempo de comutação e a intensidade de corrente com que um disjuntor dispara.

Tipo da opção de instalação de disjuntores de proteção de equipamentos, como tipo de montagem, instalação ou distribuidor.

O valor de corrente ou tensão do disjuntor de proteção de equipamento definido para uma condição de operação especificada pelo fabricante. Estes valores dizem respeito às características de operação e potência.

Corrente, tensão ou frequência nominal são valores estimados para um meio de produção.

Descreve a forma como um disjuntor de proteção de equipamento é acionado ou reposto. Existem variantes com reposição automática e com acionamento manual. Estas estão equipadas com uma alavanca de comando para operação de comutação regular ou não regular.

Curvas características que descrevem o comportamento de um disjuntor de proteção de equipamento com determinados valores de corrente e tensão.

Disparo de um disjuntor de proteção de equipamento sem que a posição da alavanca de comando seja alterada.

Disjuntor que protege contra possíveis defeitos na sequência de um curto-circuito ou de uma sobrecarga. Foram concebidos especialmente para a proteção de equipamentos e atuadores em instalações técnicas e máquinas.

Contato no circuito de corrente principal que deve conduzir a corrente em posição fechada.

Contato no circuito de corrente auxiliar que é acionado mecanicamente. Ele serve de contato de sinalização remota.

Distância mais curta ao longo da superfície de um material isolante entre duas peças condutoras.

A corrente de curto-circuito surge devido a uma conexão com defeito e com baixo valor ôhmico entre dois pontos que têm potencial diferente em uma situação normal.

São utilizados para proteger os cabos contra danos que podem ocorrer na sequência de uma sobrecarga ou um curto-circuito.

Distância mais curta entre duas peças condutoras.

MTBF é a sigla de Mean Time Between Failures e descreve o valor esperado da duração da operação entre duas falhas consecutivas.

Contato auxiliar sem potencial. Aberto se o contato principal estiver fechado.

Consequência de acionamentos de uma posição para outra e respectivo retorno.

Contato auxiliar sem potencial. Fechado se o contato principal estiver fechado.

SFB é a sigla para Selective Fuse Breaking. Os disjuntores de proteção de equipamentos que trabalham com base nesta curva característica disparam em caso de curto-circuito. A curva característica SFB está entre as curvas características M1 e F1.

As fontes de alimentação que trabalham com base nesta tecnologia oferecem uma grande reserva de corrente para um caso de curto-circuito. Mesmo nos circuitos de cabos longos, o dispositivo de segurança é alimentado com a corrente de corte necessária. As partes da instalação não afetadas que também estão conectadas a esta fonte de alimentação continuam sendo alimentadas com corrente.

Os fusíveis abrem um circuito de corrente e cortam a corrente quando é excedido um valor de corrente permitido durante um período mais longo.

Sobrecorrente que ocorre em um circuito de corrente que não apresenta danos elétricos.

Corrente que excede a corrente nominal.

A temperatura do ar que rodeia o meio de produção apurada sob condições especificadas.

Valor máximo de uma tensão temporária que não provoca danos no isolamento sob condições especificadas.

Contato de sinal com três conexões que oferecem funções de contato NF e de contato NA.

PHOENIX CONTACT
Ind. Com. Ltda.

Rua Francisco Corazza, 20 a 100
Pq. Residencial da Lapa
São Paulo/SP CEP: 05038-130
CNPJ 68.404.912/0001-62
(11) 3871-6400 (PABX)