Voltar para a visão geral

Capacidade de conexão

IEC 60947-7-1/-2

Gabaritos (pinos calibradores) dos formatos A e B segundo IEC 60947-1  

Gabaritos (pinos calibradores) dos formatos A e B segundo IEC 60947-1

Esse teste mecânico define a conexão de condutores comuns segundo as instruções do fabricante.

As réguas de bornes devem ser estruturadas de modo que condutores da bitola nominal documentada possam ser conectados com a capacidade nominal de conexão. As indicações são documentadas pelo fabricante tanto em valores métricos [mm2] como anglo-americanos AWG.

Bitola nominal significa: valor da maior bitola possível de todos os condutores conectáveis (flexíveis e de um ou vários fios) ao qual se referem determinados requisitos térmicos, mecânicos e elétricos.

Capacidade nominal de conexão significa: área da bitola maior até à menor conectável (reduzida em 2 etapas no mínimo) assim como a quantidade de condutores conectáveis para os quais a régua de bornes foi construída.

No teste, as réguas de bornes são conectadas com a bitola nominal e a capacidade nominal de conexão. Como alternativa, a bitola nominal também pode ser comprovada com um gabarito, ver figuras. Os condutores ou gabaritos têm de poder ser inseridos no ponto de prensagem aberto ou conectados sem impedimentos.

Os bornes da Phoenix Contact oferecem medidas que excedem significativamente a norma para a bitola nominal indicada. Por causa das respectivas medidas de construção, em todas as réguas de bornes do sistema CLIPLINE complete, as bitolas nominais também podem ser conectadas com terminal tubular e capas isolantes.

Conexão de condutores de alumínio

Para a conexão direta de condutores de alumínio são adequados os bornes parafuso das séries UT e UKH sob observação das diretrizes para o pré-tratamento de condutores. Sob pressão o alumínio cede com mais intensidade que o cobre devido ao seu módulo de elasticidade reduzido, o alumínio "flui". Além disso, depois da decapagem do condutor de alumínio, se forma uma camada de óxido na superfície por causa da reação com o ar. Essa camada de óxido proporciona um aumento da resistência de passagem entre o condutor de alumínio e o ponto de prensagem. Por isso, remova a camada de óxido antes do cabeamento. Além disso, a capacidade máxima de condução de corrente dos condutores de alumínio é menor que nos condutores de cobre. Como regra geral, é escolhida uma bitola maior que para um condutor de cobre, no caso de um requisito constante da capacidade de condução de corrente dos condutores de alumínio. Por causa das propriedades mencionadas, os bornes de conexão a parafuso das séries UT ... e UKH ... da Phoenix Contact foram qualificados, com base em numerosos testes específicos, para a utilização de condutores de alumínio. Uma característica essencial da qualidade é um teste de current cycling de 1000 horas segundo a IEC 61545. Nesse teste, a combinação de régua de bornes e condutor de alumínio é submetida a uma carga de corrente por uma hora e depois é desconectada por uma hora. O ciclo é repetido 500 vezes. Durante essas 1000 horas, são executadas medições de temperatura nos pontos de aperto de acordo com uma programação determinada. Os valores medidos não podem ultrapassar certos valores-limite. Na tabela seguinte, são referidos todos os bornes de conexão a parafuso da Phoenix Contact que passaram por esses testes.

Redondo, de um fio, classe 1, autorizado  

Redondo, de um fio, classe 1, autorizado

Na respectiva bitola homologada, você conecta os condutores de alumínio de um fio no formato redondo (RE) até 35 mm2 diretamente aos bornes de passagem acima mencionados com conexão a parafuso. Na conexão de condutores de alumínio, a partir de 50 mm2, você apenas pode utilizar condutores de formato setorizado e de um fio (SE).

Formato setorizado, de um fio, classe 1, α = 90°, autorizado  

Formato setorizado, de um fio, classe 1, α = 90°, autorizado

No caso de conexão direta de condutores de alumínio a bornes de passagem das séries UT ... e UKH ... da Phoenix Contact, observe as seguintes diretrizes para o pré-tratamento de condutores:

  • Raspe a extremidade sem isolamento do condutor de alumínio com uma lâmina (faca apropriada, p. ex. a ferramenta de decapagem WIREFOX-D 13) para que seja retirada a camada de óxido
  • Mergulhar imediatamente em vaselina isenta de ácidos ou álcalis, ou seja, neutra.
  • Mantenha o local de montagem isento de umidade e não exposto a uma atmosfera agressiva.
  • No caso de aplicação de um condutor de alumínio, aperte o parafuso no corpo do borne parafuso com o torque de aperto recomendado da respectiva régua de bornes. Não é necessário reapertar o ponto de prensagem.
  • No caso de nova conexão de condutores, repita o pré-tratamento do condutor.
Exemplo prático UKH ...: Conexão de condutores de alumínio em formato setorizado de um fio  

Exemplo prático UKH ...: Conexão de condutores de alumínio em formato setorizado de um fio

Monte os condutores de alumínio de formato setorizado no ponto de prensagem das réguas de bornes UKH. A seção redonda do condutor deve ficar voltada para cima de modo que a área com ângulo reto do condutor de alumínio fique apoiada na parte inferior em formato de prisma da luva de aperto. Para a conexão de condutores de alumínio com vários fios utilize acessórios p. ex. terminais de cabo de dois metais (terminal de prensa-cabo de alumínio/cobre).

PHOENIX CONTACT
Ind. Com. Ltda.

Rua Francisco Corazza, 20 a 100
Pq. Residencial da Lapa
São Paulo/SP CEP: 05038-130
CNPJ 68.404.912/0001-62
(11) 3871-6400 (PABX)